Capa » Cinema » Cinema | Corpo Fechado (2001) | Crítica
Cinema | Corpo Fechado (2001) | Crítica

Cinema | Corpo Fechado (2001) | Crítica

Antes mesmo dos filmes de super-heróis invadirem as salas de cinema, o cineasta M. Night Shyamalan apresentava em Corpo Fechado sua visão desse mundo fantasioso das HQs. Utilizando a premissa da eterna luta do bem contra o mal, o filme homenageou a linguagem dos quadrinhos ao mesmo tempo em que discutiu a temática da busca por sentido na vida.

Na trama, conhecemos a história de David Dunn (Bruce Willis), um segurança que sai completamente ileso de um acidente de trem que matou todos os passageiros, espantando os médicos e a si mesmo. Buscando explicações sobre o ocorrido, ele encontra Elijah Price (Samuel L. Jackson), um estranho que apresenta uma explicação bizarra para o fato.

Por ser um grande fã de histórias em quadrinhos, Shyamalan fez desse filme sua homenagem à essa narrativa sequencial que para muitas pessoas é conhecida pelas histórias protagonizadas por super-heróis. Isso é perceptível na estética visual e sonora de Corpo Fechado. Em várias cenas, vemos a câmera passear pelo cenário simulando o que seriam nossos olhos lendo uma página de HQ. Além disso, em alguns momentos a trilha composta por James Newton Howard dá um tom de aventura épica para a jornada de David Dunn.

Esse incrível trabalho fica ainda mais completo com a escolha do elenco certo. O protagonista vivido por Bruce Willis é muito mais contido se comparado com outros heróis de ação vividos pelo ator em sua carreira. Com essa atuação, conseguimos acreditar na humanidade de David Dunn mesmo ele sendo inquebrável como já anuncia o título original do filme (Unbreakable). De várias formas, ele demonstra a angústia do seu personagem que busca se definir após tantos acontecimentos traumáticos e inexplicáveis. Esse tipo de fragilidade emocional adiciona camadas à sua personalidade e também cria um contraste interessante com todos os seus poderes sobre-humanos.

Do outro lado, temos a figura de Elijah que nos vai sendo apresentada desde o início. Desde a sua infância até a vida adulta, entendemos como a sua doença óssea e a sua relação com as histórias em quadrinhos moldaram sua visão de mundo. É graças a esses dois elementos narrativos que conhecemos um vilão que de forma inescrupulosa busca descobrir seu papel no mundo. Isso tudo é mostrado de forma inteligente graças ao roteiro que vai nos apresentando a origem dele como um exato contraponto a de David. Por isso, fica fácil entender como os dois são na verdade lados de uma mesma moeda.

Assim como outros sucessos de M. Night Shyamalan, Corpo Fechado entregou para seu público um suspense de qualidade. Muito mais que isso, um filme sobre auto-descoberta que ainda homenageia as histórias em quadrinhos de forma única.

Ficha Técnica:

  • Data de lançamento: 19 de janeiro de 2001 (Brasil)
  • Duração: 1h46min
  • Gênero: suspense, thriller psicológico
  • Direção: M. Night Shyamalan
  • Elenco: Bruce Willis, Samuel L. Jackson, Robin Wright Penn, Spencer Treat Clark, Charlayne Woodard, Eamonn Walker, Richard E. Conselho, M. Night Shyamalan

Assista ao trailer:

Leia também a crítica sobre Fragmentado, outro grande sucesso de Shyamalan.

Sobre Marcus Alencar

Avatar
Apresentador do Leituracast, Jornalista, blogueiro e um homem de diversas paixões. Amo quadrinhos, cinema e literatura, mas não necessariamente nessa ordem. Acima de tudo, amo a forma como esses meios de comunicação conseguem produzir obras capazes de nos tirar do lugar-comum e propiciar a reflexão. No caso dos livros, destaco toda a saga de Percy Jackson nas séries de livros do escritor Rick Riordan. Não sei se foi à identificação quase que imediata com o personagem central ou fato de sempre me interessar por mitologia grega, mas o importante é que esses livros despertaram de forma mágica meu interesse pela leitura assim como outras grandes obras já fizeram o mesmo comigo em outros períodos e de formas diferentes. Enfim, ler pra mim é uma viagem especial e mágica que sempre farei com muito prazer em qualquer época da minha vida