Capa » Cinema e TV » Séries | 3% – segunda temporada | Crítica (sem spoilers)
Séries | 3% – segunda temporada | Crítica (sem spoilers)

Séries | 3% – segunda temporada | Crítica (sem spoilers)

Depois de uma primeira temporada que dividiu opiniões, a série brasileira 3% retorna à Netflix para dar continuidade à sua trama distópica. Contundo, ao invés de nos apresentar mais do mesmo, a produção parte por outro caminho, explorando diferentes pontos de vista e ganhando fôlego para o futuro.

Um ano após o Processo 104, reencontramos os personagens, cada qual seguindo com a sua vida. Às vésperas da seleção número 105, os líderes do Maralto descobrem um plano da organização clandestina Causa para impedir o processo de ser realizado no Continente. Divididos de acordo com sua ideologia, Ezequiel (João Miguel), Michele (Bianca Comparato), Rafael (Rodolfo Valente), Joana (Vaneza Oliveira) e Fernando (Michel Gomes) terão que escolher entre apoiar o “lado de lá” ou o “lado de cá”.

3% segunda temporada

Dessa vez, todo o desenrolar da história se passa antes do Processo 105. Só por esse motivo a série já ganha um ponto favorável, pois foge do erro de repetir o enredo da temporada 1, onde o foco eram as provas as quais os jovens tinham que se submeter para conquistar o direito a uma vida melhor. Agora, o caminho escolhido aborda os bastidores do Maralto e da Causa. Isso não só apresenta novos integrantes ao elenco, como também explora figuras já conhecidas, dando mais profundidade aos seus atos.

Entre flashbacks e memórias perdidas, vamos relembrando, peça por peça, o passado de todos eles. Os dilemas pessoais de cada um exigem uma atuação mais intensa dos atores e, diferentemente do que ocorreu na fase anterior em alguns momentos, isso é alcançado na nova etapa.

Esse recurso de voltar no tempo com a narrativa também traz consigo muitas revelações sobre o Maralto e seus habitantes, inclusive o Casal Fundador, os idealizadores da ilha. Cada episódio consegue nos surpreender com algum fato novo sem parecer que está “forçando a barra”, pois a maioria tem uma justificativa satisfatória para acontecer daquela forma.

3% segunda temporada Ezequiel e Marcela

Percebemos que uma trama está evoluindo quando seus protagonistas vão adquirindo camadas, chegando até mesmo ao ponto de inverterem os papéis. Aqui, ninguém é inteiramente bom ou completamente malvado, porém cada um defende aquilo em que acredita, mesmo que precise manipular pessoas e situações para isso. Essa postura acaba derrubando de uma vez por todas a ideologia da meritocracia, que era contestada desde o primeiro arco.

Apesar do contexto distópico do programa, o roteiro faz questão de mostrar que alguns costumes não se perdem com o passar dos anos. Isso fica claro em um episódio no qual é celebrado uma espécie de carnaval de rua, onde a música cantada diz muito sobre o estado de espírito da população, não só a da série, mas também a nossa.

3% segunda temporada carnaval

A abordagem que os produtores de 3% dão à segunda temporada é uma escolha inteligente para prosseguir dentro do gênero da distopia e ficção científica daqui para frente. Ainda que o título se refira a uma pequena parcela de privilegiados pelo sistema, vemos que quem ganha destaque realmente são os outros 97%.

Leia a crítica sem spoilers da primeira temporada de 3%

Crítica da terceira temporada de 3% sem spoilers

Conheça outras distopias

Assista ao trailer:

 

Sobre Mozer Dias

Mozer Dias
Engenheiro civil, resenhista e podcaster. Sou apaixonado pela exatidão dos números e pela subjetividade das palavras. Penso que qualquer pessoa pode se aventurar por esses dois mundos, até porque foram as palavras que me apresentaram aos números e daí nasceu essa relação singular. O primeiro livro que li foi “O Homem que Calculava”, do autor Malba Tahan, que narra história de Beremiz Samir, um árabe com um dom inacreditável para a matemática e uma sabedoria que transcendia a mera racionalidade fria e impessoal. Sendo assim, é esse equilíbrio que busco para minha própria vida: fazer poesia com números e letras, mantendo sempre o coração aberto para a subjetividade que há nas entrelinhas e extrair disso o melhor que eu puder.