Capa » Animes » Anime | Mob Psycho 100 II (Mobu Saiko Hyaku 2) – 2ª temporada
Anime | Mob Psycho 100 II (Mobu Saiko Hyaku 2) – 2ª temporada

Anime | Mob Psycho 100 II (Mobu Saiko Hyaku 2) – 2ª temporada

A primeira temporada de Mob Psycho 100 foi uma grande surpresa ao apresentar uma história criativa e de traços marcantes criada pelo mesmo autor de One Punch Man. Este ano, a produção ganhou sua segunda temporada, a qual cumpre a missão de elevar a qualidade animação em todos os sentidos.

Voltamos a encontrar Shigeo Kageyama, um adolescente com espantosos poderes sobrenaturais. Além de continuar com sua vida normal de estudante, Mob (como é chamado por todos) também se mantém como aprendiz do “paranormal” Reigen Arataka. Entretanto, a vida social do garoto e o aumento do trabalho na agência de exorcismos fazem com que ele comece a questionar o uso que faz de suas habilidades e como controlá-las da melhor forma. O que ele não sabe é que desafios muito maiores surgirão para estressá-lo e elevar suas emoções ao máximo.

O principal mérito de Mob Psycho 100 II é dar continuidade ao desenvolvimento do seu protagonista. Dessa vez, podemos perceber o claro amadurecimento de Mob. Se antes ele lutava com emoções conflitantes causadas pelo senso de querer agradar as pessoas a sua volta, agora ele finalmente começa a ganhar independência na forma de pensar e agir. Ele passa a encarar o mundo sob a própria visão e a perceber certas coisas que não via antes, o que dá certo peso à trama, mesmo que ela não perca sua característica bem-humorada.

Essa percepção faz com que Shigeo ganhe uma nova preocupação: saber controlar os seus poderes e ter a certeza de que nunca se deixará dominar por eles. Como ele precisa lidar com emoções como a raiva e a frustração, ele teme que um dia use suas habilidades para extravasar todos esses sentimentos ruins e não haja ninguém capaz de detê-lo. Para aumentar ainda mais seus conflitos internos, ele se depara justamente com pessoas que optaram por usar seus dons de forma irresponsável.

Mas como todo bom protagonista não evolui sozinho, Mob conta mais uma vez com a ajuda de seus amigos. Um dos principais novamente é o seu mentor, Reigen, que logo percebe que precisa dar mais atenção a sua relação com o menino. Quem também percebe as mudanças envolvendo Shigeo é o espírito Covinhas. Porém, o que chama a atenção é que eles aprendem mais observando Mob do que o contrário.

Mesmo com todas essas questões, a ação está presente a todo momento, muito mais do que na primeira temporada. Os vilões acompanham o crescimento do personagem central e oferecem uma rivalidade a altura, deixando as batalhas emocionantes e obrigando Mob a se aprimorar ainda mais. A qualidade da animação é outro fator que teve uma melhora perceptível com lutas ágeis, mas perfeitamente compreensíveis.

Mob Psycho 100 II, enfim, se destaca por ter uma segunda temporada que supera as expectativas e eleva a trama a outro patamar, seja desenvolvendo o psicológico dos seus personagens, criando arcos marcantes ou mesmo melhorando os traços do anime.

Ficha técnica:

  • Ano de lançamento: 2019
  • Gênero: ação, comédia, sobrenatural
  • Música de abertura: 99.9 – Mob Choir
  • Música de encerramento: Memosepia – Sajou no Hana
  • Criador: One
  • Estúdio: Bones
  • Número de episódios: 13 (segunda temporada)
  • Status: concluído (a temporada)

Assista ao trailer:

Leia mais sobre a primeira temporada de Mob Psycho 100

Conheça outros animes

Sobre Mozer Dias

Mozer Dias
Engenheiro civil, resenhista e podcaster. Sou apaixonado pela exatidão dos números e pela subjetividade das palavras. Penso que qualquer pessoa pode se aventurar por esses dois mundos, até porque foram as palavras que me apresentaram aos números e daí nasceu essa relação singular. O primeiro livro que li foi “O Homem que Calculava”, do autor Malba Tahan, que narra história de Beremiz Samir, um árabe com um dom inacreditável para a matemática e uma sabedoria que transcendia a mera racionalidade fria e impessoal. Sendo assim, é esse equilíbrio que busco para minha própria vida: fazer poesia com números e letras, mantendo sempre o coração aberto para a subjetividade que há nas entrelinhas e extrair disso o melhor que eu puder.