Capa » Resenhas » Resenha | Sacanas do Asfalto – Robson Gundim
Resenha | Sacanas do Asfalto – Robson Gundim

Resenha | Sacanas do Asfalto – Robson Gundim

Um grupo de personagens peculiares, diálogos descompromissados e cotidianos, uma trilha sonora marcante e muita violência. Essa descrição serviria perfeitamente para os filmes de um certo cineasta bem conhecido hoje em dia, mas na verdade é sobre um livro destinado a homenageá-lo. Estamos falando de Sacanas do Asfalto, do escritor Robson Gundim, que entre uma referência e outra à cultura pop, faz um singelo tributo a Quentin Tarantino.

A trama começa na estrada, apresentando os três amigos Rob, Arthur e Stefani. Os estudantes de cinema planejam curtir as férias assistindo a um show de rock na ilha de Vera Cruz com outros amigos. Porém eles não imaginavam que iriam cruzar o caminho de Dante, o líder de uma gangue de motoqueiros que está disposto a persegui-los para um ajuste de contas. A partir daí começa uma trajetória de vingança tarantinesca em todos os sentidos.

Durante a leitura, encontramos diversas referências a séries, músicas e quadrinhos, mas a obra é declaradamente inspirada nas produções de Quentin Tarantino e podemos ver isso desde referências discretas até outras mais escancaradas. Citar os nomes dos filmes e personagens é a parte mais simples da homenagem, mas a essência do cineasta está nos diálogos com um humor ácido, na violência visual exagerada e na forma como os protagonistas se apresentam, começando como pessoas ordinárias, mas aos poucos revelando seus segredos.

Nesse último quesito, quem se destaca é Sam, um negro badass carismático e desbocado. Isso te lembra alguém, motherfocker?! Quem já assistiu a Pulp Fiction, Django Livre ou Jackie Brown deve se lembrar da presença marcante de Samuel L. Jackson. Seus personagens costumam roubar a cena e protagonizar os momentos mais empolgantes. Em Sacanas do Asfalto, esse papel cabe ao Sam criado por Gundim. E fica difícil não ler as falas dele sem ouvir a voz do ator (ou então a do dublador oficial, o Márcio Simões).

Outra característica das produções de Tarantino é a narrativa não linear, ora apresentando o que está acontecendo no presente, ora relembrando fatos passados. O mesmo acontece no livro, mas felizmente sem os exageros de alguns filmes e sempre para revelar alguma informação crucial. Isso ainda serve de base para as reviravoltas que irão acontecer e preparam o terreno para as passagens de ação sangrentas.

Levando em consideração que nem todas as pessoas conhecem o trabalho de diretor e roteirista do homenageado, é bom alertar que o romance de Robson Gundim é algo despretensioso, que exagera alguns acontecimentos (principalmente as cenas de morte) e satiriza situações com diálogos e personagens caricatos propositalmente. É para ser algo divertido e brutal e não para ser levado a sério.

Sacanas do Asfalto é uma homenagem válida que reúne os melhores aspectos dos filmes de Quentin Tarantino e ainda acrescenta um toque pessoal do próprio autor para criar uma história repleta de referências à cultura pop. Tanto para quem é fã dos filmes quanto para quem não é, na certa é uma excelente forma de se entreter.

Adicione este livro à sua biblioteca!

Assine o Kindle Unlimited e tenha acesso a esse e muitos outros títulos (primeiro mês grátis)

Conteúdo relacionado:

Participação de Robson Gundim no podcast Novos Autores

Sobre Mozer Dias

Mozer Dias
Engenheiro civil, resenhista e podcaster. Sou apaixonado pela exatidão dos números e pela subjetividade das palavras. Penso que qualquer pessoa pode se aventurar por esses dois mundos, até porque foram as palavras que me apresentaram aos números e daí nasceu essa relação singular. O primeiro livro que li foi “O Homem que Calculava”, do autor Malba Tahan, que narra história de Beremiz Samir, um árabe com um dom inacreditável para a matemática e uma sabedoria que transcendia a mera racionalidade fria e impessoal. Sendo assim, é esse equilíbrio que busco para minha própria vida: fazer poesia com números e letras, mantendo sempre o coração aberto para a subjetividade que há nas entrelinhas e extrair disso o melhor que eu puder.