Resenha | A Canção dos Shenlongs – guerras épicas do Império de Housai

Resenha | A Canção dos Shenlongs – guerras épicas do Império de Housai

A literatura fantástica nacional tem ganhado cada vez mais destaque entre os leitores brasileiros. Desde os nomes mais conhecidos – como Carolina Munhóz, Raphael Draccon e Eduardo Spohr – até os escritores que estão estreando agora, o nível de ambição das histórias e a criatividade mostrada vêm aumentando de qualidade consideravelmente. Entre esses novos autores, está o carioca Diogo Andrade, que nos apresenta o mundo dos monges guerreiros em A Canção dos Shenlongs.

A trama conta a história dos monges de Shanjin, o Templo da Montanha, um dos últimos Quatro Templos que se isolaram do Império de Housai. Dentre seus habitantes destaca-se Mu, um jovem guerreiro que chegou ainda criança a Shanjin junto com o irmão, Ruk. Porém, os dois são obrigados a se separar quando Ruk infringe as leis monásticas e é expulso do Templo. Assim, Mu se vê dividido entre seguir o irmão ou se manter um shenlong, seguindo o caminho da retidão. Tudo piora quando um misterioso espadachim chega trazendo notícias sobre um futuro ataque das forças do governo dirigido aos Quatro Templos. Com isso, os shenlongs se veem obrigados a reforçar suas defesas e a se armar para a batalha que se aproxima.

Um fato curioso sobre o livro de Diogo é que sua narrativa fantástica é voltada totalmente para os costumes orientais: as artes marciais, religião, costumes e tradições, e também traços da filosofia budista. O autor se vale de todos esses elementos para criar um mundo próprio, com suas leis e deuses particulares. Ainda assim, podemos perceber referências à cultura pop, principalmente a Dragon Ball quando se trata do uso e liberação do chi. Outra lembrança a qual a trama nos remete são os filmes chineses épicos de kung fu, em particular os mais antigos, o que de certa forma dá um gosto nostálgico a quem assistiu a essas películas.

Por conseguinte, as cenas de luta são narradas de forma fluida, possibilitando que os leitores tenham uma visão clara do que se passa. Todos os momentos de ação tem uma justificativa inserida no contexto, não sendo de forma alguma um simples pretexto para entreter o leitor com um combate aleatório, como é muito comum de se ver (e ler) em enredos que envolvem lutas e batalhas.

Apesar de ser uma narração com começo, meio e fim, é preciso esclarecer que este livro é uma introdução a esse novo universo, que fará ligação com eventos futuros contados no próximo romance do escritor, o que justifica ser uma obra curta. Mesmo assim, a experiência de leitura teria sido ainda melhor caso houvesse um desenvolvimento mais detalhado de alguns personagens, especificamente da relação entre os irmãos Mu e Ruk e da formação do caráter deste último, partindo de acontecimentos da infância até a vida adulta.

Por fim, A Canção dos Shenlongs é mais uma mostra de como a literatura fantástica brasileira está se desenvolvendo e ganhando popularidade. Com uma narrativa envolvente que te leva a ler até o fim bem rápido, tudo indica que Diogo Andrade deu início a uma saga épica que possui todos os elementos necessários para cair nas graças dos leitores.

Adicione este livro à sua biblioteca! 

[eBook] A Canção dos Shenlongs: Guerras Épicas do Império de Housai

O primeiro capítulo está disponível na Amazon para leitura. Basta clicar em “Envie uma amostra grátis”.

 

Sobre Mozer Dias

Mozer Dias
Engenheiro civil, resenhista e podcaster. Sou apaixonado pela exatidão dos números e pela subjetividade das palavras. Penso que qualquer pessoa pode se aventurar por esses dois mundos, até porque foram as palavras que me apresentaram aos números e daí nasceu essa relação singular. O primeiro livro que li foi “O Homem que Calculava”, do autor Malba Tahan, que narra história de Beremiz Samir, um árabe com um dom inacreditável para a matemática e uma sabedoria que transcendia a mera racionalidade fria e impessoal. Sendo assim, é esse equilíbrio que busco para minha própria vida: fazer poesia com números e letras, mantendo sempre o coração aberto para a subjetividade que há nas entrelinhas e extrair disso o melhor que eu puder.
  • Thais Rodrigues

    Adorei a resenha, ficou muito bem explicada e destacou pontos importantes do livro, assim como as referencias dele. As cenas de luta realmente foram escritas de forma envolvente, pude imaginar perfeitamente cada parte das batalhas , assim como os cenários.

    Depois de ler eu gosto de procurar a opinião de outras pessoas sobre os livros, e fico feliz de ler essa resenha, livros como A Canção dos Shenlongs provam que os escritores brasileiros tem muito talento e resenhas como essa ajudam na divulgação, assim mais pessoas passam a conhecer as obras e assim descobrem que não é preciso apostar só em livros que vem de fora.

Nossos Parceiros