Resenha |  A Morte de Sarai
Suma de Letras

Resenha | A Morte de Sarai

Acredito que um livro deve conquistar o leitor logo em suas primeiras páginas, prendendo sua atenção e instigando sua curiosidade sobre como a obra irá se desenrolar. E assim foi com A Morte de Sarai, primeiro livro da série Na Companhia de Assassinos, de J. A. Redmerski, autora do best-seller Entre o Agora e o Nunca.

A história é narrada em primeira pessoa pelos dois personagens principais, os quais vão se alternando entre os capítulos para apresentar o seu ponto de vista dos eventos. Assim, vamos conhecendo a protagonista, Sarai, que passou nove anos de sua vida longe de casa, refém de um traficante de drogas e mulheres no México. As coisas começam a mudar para ela quando Victor, um assassino profissional, cruza seu caminho e ela enxerga nele sua chance para escapar do cativeiro.

Até então, parece uma trama um tanto clichê: ele, um homem frio e meticuloso; ela, uma garota assustada e traumatizada; e, entre os dois, um “amor impossível” que evidentemente começa a nascer. Porém, o que torna isso apenas um detalhe é a forma como são descritos os acontecimentos. A violência apresentada torna a narrativa mais crua, mas sem parecer de forma exagerada. O erotismo – muito bem trabalhado, por sinal – é outro ponto a favor da protagonista, tirando-a do posto de menina ingênua que não sabe nada da vida.

Além disso, a relação entre Sarai e Victor é outro elemento que faz com que a leitura seja interessante. Os dois têm muita coisa em comum, ambos tiveram sua infância roubada e cresceram moldados por um ambiente hostil, que os transformou em pessoas totalmente diferentes do que seriam, caso tivessem uma vida comum. Victor muitas vezes se assusta com o quanto a garota é parecida com ele, e teme que ela siga por um caminho sem retorno, como ele o fez.

Dessa forma, A Morte de Sarai é uma obra que tem vários aspectos a serem considerados além do que pode parecer previsível. No final das contas, o leitor consegue chegar facilmente ao seu desfecho e ficar ansioso pelos próximos livros da série.

Leia também: Resenha | O Retorno de Izabel

Adicione este livro à sua estante!

a morte de sarai

Sobre Mozer Dias

Mozer Dias

Engenheiro civil, resenhista e podcaster. Sou apaixonado pela exatidão dos números e pela subjetividade das palavras. Penso que qualquer pessoa pode se aventurar por esses dois mundos, até porque foram as palavras que me apresentaram aos números e daí nasceu essa relação singular. O primeiro livro que li foi “O Homem que Calculava”, do autor Malba Tahan, que narra história de Beremiz Samir, um árabe com um dom inacreditável para a matemática e uma sabedoria que transcendia a mera racionalidade fria e impessoal. Sendo assim, é esse equilíbrio que busco para minha própria vida: fazer poesia com números e letras, mantendo sempre o coração aberto para a subjetividade que há nas entrelinhas e extrair disso o melhor que eu puder.