Capa » Resenhas » Doctor Who: O Prisioneiro dos Daleks | Resenha
Doctor Who: O Prisioneiro dos Daleks | Resenha

Doctor Who: O Prisioneiro dos Daleks | Resenha

Além do seriado, o universo de Doctor Who se estende para outros formatos de mídia, como quadrinhos, jogos, audiodramas e livros. Nessa última categoria, já mencionamos bons exemplos como Mortalha da Lamentação e 12 Doutores, 12 Histórias. Agora chegou a vez de falarmos sobre O Prisioneiro dos Daleks, uma aventura inédita do Senhor do Tempo escrita por Trevor Baxendale.

Na trama, acompanhamos o 10º Doutor (interpretado por David Tennant na série) a bordo de uma nave tripulada por caçadores de recompensas. Esse grupo está na linha de frente da guerra entre Daleks e humanos e são pagos por cada Dalek que matam. Com a ajuda do Doutor, eles conseguem realizar um feito inédito: capturar um Dalek vivo e pronto para ser interrogado. Contudo, quando se trata desse inimigo, as coisas nunca são tão simples e a situação pode se inverter a qualquer momento.

Muitas coisas merecem destaque nesse livro, mas uma das primeiras que percebemos é como o autor conseguiu honrar a essência do 10º Doctor, tão querido por muitos fãs. Para quem o conhece do seriado, fica fácil identificar seus trejeitos e personalidade sem que a narração precise focar em muitos detalhes para isso. Até mesmo para aqueles que nunca viram o programa é possível compreender o comportamento do Senhor do Tempo, mesmo que não consigam captar todas as peculiaridades do personagem.

Através de alguns trechos, podemos deduzir que os acontecimentos de O Prisioneiro dos Daleks acontecem depois da quarta temporada da era moderna de Doctor Who (2008), pois encontramos o protagonista sozinho, remoendo a falta que algumas de suas antigas companhias fazem. Por isso fica aparente um lado mais melancólico do Doutor, por mais que ele continue com suas brincadeiras e tiradas de humor.

Outros personagens bem retratados são os Daleks no auge de sua crueldade e megalomania para se tornarem a espécie dominante no universo. Essas figuras impõem tanto respeito que mesmo acuadas continuam ameaçadoras. O fato de haver um Dalek refém lembra muito o sexto episódio da primeira temporada (Dalek – S01E06), onde esse vilão aparece pela primeira vez na série moderna em circunstâncias parecidas.

Como sempre, o encontro do Doutor com seus maiores inimigos resulta em momentos e diálogos tensos onde toda a hostilidade fica evidente. Se levarmos em conta que o 10º Doctor ainda era atormentado pelas lembranças da Guerra do Tempo, onde todo o seu povo foi destruído junto com os Daleks, podemos entender todo o ressentimento que há entre eles.

Após diversas situações difíceis, o desfecho consegue emocionar e prender nossa atenção da mesma forma como um dos melhores episódios do seriado conseguiria. O melhor de tudo é que os acontecimentos se encaixam com o restante da história de Doctor Who, sem parecer que foi algo isolado e sem nenhuma ligação com o restante.

Em O Prisioneiro dos Daleks, Trevor Baxendale consegue não só resgatar a essência de grandes personagens, mas também nos faz desejar que esse livro tivesse se tornado um dos episódios especiais de Doctor Who, graças às emoções que ele desperta. Para quem é fã do 10º Doutor, essa é uma bela forma de matar as saudades. E para os que não o conhecem, é uma ótima oportunidade de conhecê-lo. Allons-y!

Adicione este livro à sua biblioteca!

Conteúdo relacionado:

Leia mais sobre Doctor Who no Leituraverso

Sobre Mozer Dias

Mozer Dias
Engenheiro civil, resenhista e podcaster. Sou apaixonado pela exatidão dos números e pela subjetividade das palavras. Penso que qualquer pessoa pode se aventurar por esses dois mundos, até porque foram as palavras que me apresentaram aos números e daí nasceu essa relação singular. O primeiro livro que li foi “O Homem que Calculava”, do autor Malba Tahan, que narra história de Beremiz Samir, um árabe com um dom inacreditável para a matemática e uma sabedoria que transcendia a mera racionalidade fria e impessoal. Sendo assim, é esse equilíbrio que busco para minha própria vida: fazer poesia com números e letras, mantendo sempre o coração aberto para a subjetividade que há nas entrelinhas e extrair disso o melhor que eu puder.