Uma Nova Tarde – L&P
Acervo pessoal da autora

Uma Nova Tarde – L&P

Leões a me devorar, um pedido de socorro não é o bastante. Escrevo. Preciso ouvir o que quero. Desfrutar da vida sem medo de ousar. Um grande e complexo problema, ainda imaturo.

O trem já vai passando, um barulho que nem mesmo a angústia desvenda. Passa longe, longe, longe, longe e a capacidade de pensar nos porquês continua a mesma, intacta e perseverante.

Indiscreta porém cautelosa como o toque suave em meu rosto, vejo as folhas das altas arvores dançando com o vento forte. Mais exata do que nunca, mas repleta de calafrios nesse inverno seco e quente, ouvi dizer do soprar que o trem só passa aqui uma vez por dia.

A vida inteira vai caminhando como o tal trem que some no horizonte, um laranja iluminado como nunca se viu igual, é delicado.. profundo até. Delicado como as palavras que pensando em dizer só se rasga papéis e mais papéis. Ninguém vai se importar. E entre um café e outro o desperdício do sol, do tempo, das lágrimas, da tinta, das linhas é cada vez mais evidente e irremediável.

As horas se vão. O vento parece carregá-las.

Volto à janela, tudo já se foi e só consigo sentir calafrios, sono e esperança para a próxima tarde daquele inverno. Um dia de cada vez, um trem para cada tarde e um calafrio para cada desperdício. É como um telefonema que não compensa o tempo. A alternativa é esperar o telefone tocar outra vez ou o inverno terminar.

L&P - Eduarda Lima

A autora

Eduarda Lima (@eduarrdalima) é de Goiânia. Apaixonada por literatura, fotografia, dança e todas as outras formas de arte, cursa Letras na Universidade Federal de Goiás (UFG). Este texto foi originalmente publicado em seu blog pessoal, o Quimera Literária.

Se você também tem um poema ou conto que gostaria de publicar no Leituraverso, conheça o projeto LeituraVersos & Prosas e participe!

Sobre Mozer Dias

Mozer Dias
Engenheiro civil, resenhista e podcaster. Sou apaixonado pela exatidão dos números e pela subjetividade das palavras. Penso que qualquer pessoa pode se aventurar por esses dois mundos, até porque foram as palavras que me apresentaram aos números e daí nasceu essa relação singular. O primeiro livro que li foi “O Homem que Calculava”, do autor Malba Tahan, que narra história de Beremiz Samir, um árabe com um dom inacreditável para a matemática e uma sabedoria que transcendia a mera racionalidade fria e impessoal. Sendo assim, é esse equilíbrio que busco para minha própria vida: fazer poesia com números e letras, mantendo sempre o coração aberto para a subjetividade que há nas entrelinhas e extrair disso o melhor que eu puder.

Nossos Parceiros