Eventos | Stalo! 1º Encontro de Literatura Fantástica

Eventos | Stalo! 1º Encontro de Literatura Fantástica

Brasil, província do Rio de Janeiro.

31 de março de 2017, da Era Comum. 

Doze paladinos são chamados a confabular sobre a Guilda dos Escritores Fantásticos do reino brasileiro. Perante uma plateia seleta, cada um dos Doze apresenta seu trabalho e compartilha um pouco de sua jornada com os demais. Porém, todos possuem algo em comum: abdicaram da espada para empunhar a pena e o pergaminho e, com eles, conjurar palavras mágicas com o poder de nos transportar para diferentes mundos, com seus próprios encantos e perigos. Assim nasceu o Stalo! – 1º encontro de Literatura Fantástica.

 

Organizado pelo site Acervo do Leitor e pelo grupo Reino dos Livros em parceria com a Editora LeYa, surgiu o encontro Stalo! Esse nome foi escolhido para referenciar aquele momento no qual temos uma ideia repentina e criativa, um verdadeiro “stalo” que a mente dá, além de uma referência a Mistborn que só os fortes vão entender. E a grande ideia foi realizar um evento destinado a reunir os amantes da Literatura Fantástica nacional. A primeira reunião ocorreu aqui no Rio de Janeiro e juntou diversos escritores do gênero, assim como leitores e blogueiros.

A primeira parte do evento foi voltada para a apresentação dos autores convidados. Cada um dedicou uma parte do seu tempo para falar um pouco mais do seu trabalho e prestigiar o dos colegas. Pude notar que, mesmo todos os livros possuindo o elemento fantástico em comum, cada um tinha suas particularidades, suas próprias leis e enredos originais. Só por esse fato, já afirmo o quanto esse gênero é abrangente e pode explorar a fantasia sob diversas formas, de modo que agrade a muitas pessoas. O toque de realidade também está lá, mascarado pelas alegorias: a ganância, a sede de poder, a violência e ignorância de muitos indivíduos. Mas, por outro lado, há o amor por uma causa ou por alguém, o patriotismo e a busca por redenção.

 Porém, é melhor que eu apresente um autor de cada vez ao invés de simplesmente citar seus nomes por alto. Eles representam a nova cara da fantasia brasileira, como já mencionei em outro artigo, e ter essa facilidade de conversar com esses representantes já é muito significativo. Então aqui vão os autores que marcaram presença no Stalo!, falando sobre seus livros, mas também sobre os empecilhos e desafios de ser um autor independente:

 

Quando eu estava achando que as apresentações haviam acabado, foi a nossa vez. Cada blogueiro teve a oportunidade de se apresentar e falar um pouco do seu trabalho e seu contato com a Literatura Fantástica. Essa possibilidade foi incrível, pois estreitou ainda mais os laços com os escritores ali presentes, com um diálogo olho no olho ressaltando a importância do feedback tanto para os autores quanto para nós blogueiros que lemos e resenhamos suas obras.

Sobrou até pra mim! Por essa não esperava…

Já a segunda parte do evento contou com presenças ilustres: os escritores Affonso Solano que, além de podcaster no Matando Robôs Gigantes, também é autor da série O Espadachim de Carvão, e Enéias Tavares, autor de A Lição de Anatomia do Temível Dr. Louison, que já foi resenhado no Leitor Cabuloso pela nossa amiga Domenica Mendes. Ambos se dispuseram a bater um papo descontraído com todos os presentes e muitas questões interessantes foram discutidas, como o futuro da literatura fantástica nacional e as barreiras que impedem o seu crescimento tanto no Brasil como em outros países.

Affonso Solano e Enéias Tavares batendo um papo com o pessoal

Se tratando da receptividade dentro do nosso país, infelizmente ainda há muito preconceito com o gênero, seja pelo conteúdo em si quanto pela forma de disponibilizá-lo. E um fator que contribui para isso é a falta de informação. Como a maioria dos trabalhos independentes hoje em dia é lançada inicialmente em formato eBook, isso gera certa resistência por parte dos leitores mais tradicionais. Sem contar aqueles que pensam que, para adquirir um ebook, também precisarão adquirir um Kindle, como se esta fosse a única forma de ler a mídia. Entretanto, pior ainda é a parcela que não acha que deve pagar por algo que está “baixando da internet”. Sendo assim, percebemos a necessidade de educar as pessoas sobre esse novo formato de ler livros.

Já no que diz respeito à publicação de autores nacionais no exterior, a principal barreira ainda é a língua, segundo Affonso Solano. Para criar uma identificação com o leitor estrangeiro, é preciso uma tradução que leve em consideração o contexto e as sutilezas do idioma para o qual a obra está sendo traduzida. Até a dificuldade de comunicação entre autor e editora pode representar um entrave algumas vezes.

E assim, a conversa entre escritores, leitores e blogueiros foi se desenrolando, falando das dificuldades, mas também das conquistas obtidas. De qualquer modo, esse ramo da literatura vem ganhando seu merecido espaço, mesmo que aos poucos. Isso já é suficiente para motivar os escritores e aqueles que desejam entrar nessa carreira, e também nós leitores, que queremos mais livros de desse tipo publicados e divulgados.

Cabe aqui um agradecimento especial a Editora LeYa que apoiou o evento, cedeu livros para serem sorteados entre os participantes do evento e brindes para todos. O apoio de uma editora conhecida é fundamental para o reconhecimento e propagação da fantasia na literatura. Enxergar um autor independente como um potencial sucesso e não como um concorrente é um fator decisivo nessas horas. Também agradeço ao Affonso e ao Enéias, que esbanjaram simpatia e atenção dividindo suas experiências no meio editorial. Não posso esquecer dos idealizadores e mediadores do Stalo! Artur Moraes e Diego Ribeiro, que também são os editores do Acervo do Leitor.

Enfim, fica o desejo de que este encontro de Literatura Fantástica tenha sido o primeiro de muitos e que o gênero se consolide e ganhe mais seguidores. Ao meu ver, o principal intuito desse evento foi passar a mensagem de que os amantes dos livros fantásticos só têm a ganhar caso se unam. Seja autor, blogueiro ou apenas leitor, prestigiar o trabalho uns dos outros e divulgá-lo é o que aumenta a visibilidade e aceitação da fantasia nacional cada vez mais. 

Sobre Mozer Dias

Mozer Dias
Engenheiro e blogueiro. Apaixonado pela exatidão dos números e pela subjetividade das palavras. Penso que qualquer pessoa pode se aventurar por esses dois mundos até porque foram as palavras que me apresentaram aos números e daí nasceu essa relação singular. O primeiro livro que li foi “O Homem que Calculava”, do autor Malba Tahan, que narra história de Beremiz Samir, um árabe com um dom inacreditável para a matemática e uma sabedoria que transcendia a mera racionalidade fria e impessoal. Sendo assim, é esse equilíbrio que busco para minha própria vida: fazer poesia com números e letras, ser um profissional da área de exatas, porém manter sempre o coração aberto para a subjetividade que há nas entrelinhas e extrair disso o melhor que eu puder.