Capa » Cinema » Rainha de Katwe (2016) | Crítica sem spoilers
Rainha de Katwe (2016) | Crítica sem spoilers

Rainha de Katwe (2016) | Crítica sem spoilers

Para jogar xadrez como profissional é preciso ter um cérebro afiado, pensar em possibilidades variadas e assim antecipar as jogadas do oponente. Isso é fundamental para o sucesso no jogo, mas não torna fácil a chegada até o topo. Tem que estudar e treinar muito, algo que fica muito mais complicado com condições totalmente desfavoráveis. No entanto, um incentivo é capaz de fazer toda a diferença para que a primeira peça seja movida em direção a vitória. Em Rainha de Katwe, vemos que isso serve tanto para campeonatos desse jogo de tabuleiro como para a vida.

Na trama conhecemos Phiona Mutesi (Madina Nalwanga), uma jovem de Uganda que faz de tudo para alcançar o seu objetivo de se tornar uma das melhores enxadristas do mundo. Órfã de pai e moradora de uma região bem pobre, ela foi obrigada a largar a escola por falta de dinheiro, mas agora está decidida a enfrentar todos os obstáculos para tornar seu sonho realidade.

Madina Nalwanga Rainha de Katwe

Com roteiro de William Wheeler baseado um artigo da ESPN escrito por Tim Crothers e depois adaptado para um livro homônimo, Rainha de Katwe emociona sem esquecer do mundo real. Sem receio de mostrar a dura realidade de quem vive na extrema pobreza de uma pequena área localizada na cidade de Kampala, a diretora Mira Nair fez questão de buscar veracidade utilizando cenas filmadas na própria região. Soma-se a isso o fato de ter no elenco uma atriz como Lupita Nyong’o (Pantera Negra e Nós) que vive Nakku Harriet, a mãe da protagonista. Com uma expressão que entrega sofrimento no olhar e determinação com intensidade, ela brilha na tela como uma mulher forte e perseverante que lida com tantas dificuldades financeiras para cuidar de tantos filhos.

Lupita nyongo rainha de katwe

Perseverança inclusive é a palavra-chave que move o treinador Robert Katende (David Oyelowo) que luta contra as barreiras sociais para ensinar xadrez para as crianças da comunidade de Kampala. Em dado momento, enquanto tenta inscrevê-las para um primeiro campeonato ele enfrenta barreiras criadas pela elite africana, mas não desiste justamente por acreditar no potencial de cada uma para vitória. Sem essa luta por inclusão, dificilmente veríamos alguém como Phiona representar o país em uma Olimpíada da modalidade.

David Oyelow rainha de katwe

Para quem viu e se empolgou com a minissérie O Gambito da Rainha, fica a dica para assistir esse filme que está atualmente disponível no Disney+. Mais do que se empolgar com as partidas, Rainha de Katwe irá te emocionar com a história de pessoas fortes e vencedoras que não desistem mesmo quando a vida tenta dar um xeque-mate em seus sonhos.

Ficha técnica:

  • Data de lançamento: 25 de novembro de 2016
  • Duração: 2h04min
  • Gênero: drama
  • Direção: Mira Nair
  • Roteiro: William Wheeler
  • Elenco: Madina Nalwanga (Phiona Mutesi) David Oyelowo (Robert Katende), Lupita Nyong’o (Nakku Harriet), entre outros

Trailer:

Conteúdo relacionado:

Sobre Marcus Alencar

Avatar
Apresentador do Leituracast, Jornalista, blogueiro e um homem de diversas paixões. Amo quadrinhos, cinema e literatura, mas não necessariamente nessa ordem. Acima de tudo, amo a forma como esses meios de comunicação conseguem produzir obras capazes de nos tirar do lugar-comum e propiciar a reflexão. No caso dos livros, destaco toda a saga de Percy Jackson nas séries de livros do escritor Rick Riordan. Não sei se foi à identificação quase que imediata com o personagem central ou fato de sempre me interessar por mitologia grega, mas o importante é que esses livros despertaram de forma mágica meu interesse pela leitura assim como outras grandes obras já fizeram o mesmo comigo em outros períodos e de formas diferentes. Enfim, ler pra mim é uma viagem especial e mágica que sempre farei com muito prazer em qualquer época da minha vida