Cinema | Poder sem Limites (2012) | Crítica

Cinema | Poder sem Limites (2012) | Crítica

O que adolescentes comuns fariam em situação extraordinária como ganhar superpoderes? Para algumas pessoas a resposta mais óbvia dessa pergunta seria procurar formas de ajudar o próximo, salvar pessoas e ser um herói. No entanto, quem assistir Poder sem limites perceberá que este caminho está muito longe do escolhido pelo trio de jovens que protagonizam a história do filme.

Após serem expostos a uma substância de origem desconhecida e desenvolver poderes de telecinesia, Andrew Detmer (Dane DeHaan), seu primo Matt Garetty (Alex Russell) e o atleta Steve Montgomery (Michael B. Jordan) utilizam suas novas habilidades por pura diversão até que em um certo momento as coisas começam a sair do controle.

O primeiro destaque a respeito do trabalho da dupla Josh Trank e Max Landis, respectivamente diretor e roteirista, fica por conta da narrativa. A escolha por um estilo documental conhecido como found-footage, já utilizado em produções como Cloverfield e Atividade Paranormal, casa bem com vários elementos do filme. Entre eles, a ideia do personagem Andrew filmar por conta própria cada detalhe do seu cotidiano como se fosse uma espécie de vlog.

Esta característica de Poder sem Limites garante um aspecto de diálogo com a atualidade. O mesmo ocorre com os vídeos produzidos pelo trio no estilo prank (ou ‘pegadinha’). É o tipo de produção amadora que facilmente ‘viraliza’ nas redes e mídias sociais. Esse recurso torna tudo mais engraçado e leve no começo da jornada deles.

Felizmente, o filme não se limita apenas em entreter o seu público. Logo somos apresentados a aspectos da vida dos personagens, em especial a de Andrew que além de ser tímido e sofrer com problemas em sua família (mãe doente e pai violento) ele também é vitima de bullying. O interessante é que esse aspecto dramático vai crescendo de forma muito sutil de modo que torna o desfecho ainda mais surpreendente além de garantir profundidade para as cenas de ação. Inclusive, os fãs do clássico da animação japonesa Akira (1988) poderão reconhecer algumas semelhanças nesses momentos.

Enfim, se você está disposto a assistir a um filme diferente e ao mesmo tempo interessante, Poder sem Limites é uma boa escolha além de ser uma alternativa para as tão famosas adaptações de quadrinhos. Afinal, além de não ter uma HQ como material base a produção ainda consegue fugir de certos vícios narrativos deste sub-gênero como personagens rasos e romances forçados, por exemplo.  

Ficha Técnica:

  • Data de lançamento: 2 de março de 2012 (1h 24min)
  • Direção: Josh Trank
  • Roteiro: Max Landis e Josh Trank
  • Elenco : Dane DeHaan, Alex Russell, Michael B. Jordan,  entre outros.

Assista o trailer:

Sobre Marcus Alencar

Apresentador do Leituracast, Jornalista, blogueiro e um homem de diversas paixões. Amo quadrinhos, cinema e literatura, mas não necessariamente nessa ordem. Acima de tudo, amo a forma como esses meios de comunicação conseguem produzir obras capazes de nos tirar do lugar-comum e propiciar a reflexão. No caso dos livros, destaco toda a saga de Percy Jackson nas séries de livros do escritor Rick Riordan. Não sei se foi à identificação quase que imediata com o personagem central ou fato de sempre me interessar por mitologia grega, mas o importante é que esses livros despertaram de forma mágica meu interesse pela leitura assim como outras grandes obras já fizeram o mesmo comigo em outros períodos e de formas diferentes. Enfim, ler pra mim é uma viagem especial e mágica que sempre farei com muito prazer em qualquer época da minha vida