Capa » Cinema » Ação » Cinema | John Wick – De Volta ao Jogo (2014) | Crítica
Cinema | John Wick – De Volta ao Jogo (2014) | Crítica

Cinema | John Wick – De Volta ao Jogo (2014) | Crítica

O cinema está repleto de filmes de ação com muitos tiros, mortes violentas e um protagonista durão e implacável. Então por que John Wick (De Volta ao Jogo, na tradução brasileira) merece tanta atenção? Pelo simples fato de que ele é tudo isso de uma forma melhor, seja pela história sem grandes pretensões ou pelo seu elenco de peso.

A trama nos apresenta o ex-assassino profissional John Wick (Keanu Reeves), que durante muito tempo trabalhou junto com a máfia russa. Depois de se aposentar, ele precisa lidar com a morte de sua esposa. A mulher, sabendo que iria morrer, deixa-lhe de presente um cachorro para que ele não enfrente o luto sozinho. Porém, poucos dias depois do funeral, ladrões invadem sua casa para roubar seu carro e acabam matando o animal. John sabe quem são os homens e parte atrás deles em busca de vingança nem que precise eliminar todos que atravessarem seu caminho.

john wick e seu cachorro

O script não oferece nada original, sendo um argumento bem simples para desencadear as cenas de ação subsequentes. O que merece destaque é a construção do personagem: a fama de John graças a seus feitos do passado lhe garante um status de lenda entre todos os assassinos e mafiosos. Sua alcunha de Baba Yaga, o bicho-papão, pode parecer clichê, mas é citada em um diálogo marcante entre o chefe da máfia, Viggo Tarasov (Michael Nyqvist), e seu filho Iosef (Alfie Allen) e mostra como um homem aparentemente calmo pode ser tão terrível.

john wick viggo e iosef

Ainda assim, somente essa caracterização não seria suficiente para justificar a qualidade do filme. O ator Keanu Reeves tem grande importância no sucesso da produção devido ao respeito que ele conquistou em outras obras como a trilogia Matrix. Ele é inexpressivo na maioria das cenas, mas é justamente essa ausência de emoções que dá a frieza típica do personagem. Além disso, sua habilidade com armas de fogo e artes marciais é notável, indicando o quanto ele é preparado para o papel. E mesmo que haja muitos tiroteios e lutas, não é nada mirabolante e acrobático como vemos em muitas produções do gênero.

Outro ponto que chama a atenção é o universo criado dentro do roteiro, pois John faz parte de uma sociedade de assassinos tão famosos quanto ele, incluindo o atirador Marcus (Willem Dafoe). Isso possibilita a criação de outras tramas que explorem diversas situações e personagens, tanto que atualmente a franquia já conta com mais dois filmes, John Wick – Capítulo Dois (2017) e Parabellum (2019), e também uma HQ. Para completar, uma série derivada está sendo produzida e tratará do Continental, o hotel exclusivo para assassinos que é mostrado no longa.

São por essas razões que John Wick (ou De Volta ao Jogo, se você preferir) é um filme que pode ser considerado um marco dentro das películas de ação. Uma história simples contada do jeito correto e encenada pelos atores certos faz toda a diferença entre o sucesso e o fracasso.

Ficha técnica:

  • Data de estreia: 27 de novembro de 2014
  • Duração: 1h41min
  • Direção: Chad Stahelski e David Leitch
  • Gênero: ação, suspense
  • Elenco: Keanu Reeves (John Wick), Michael Nyqvist (Viggo Tarasov), Alfie Allen (Iosef Tarasov), Willem Dafoe (Marcus), Ian McShane (Winston), entre outros.

Assista ao trailer:

Conteúdo relacionado:

 

Sobre Mozer Dias

Mozer Dias
Engenheiro civil, resenhista e podcaster. Sou apaixonado pela exatidão dos números e pela subjetividade das palavras. Penso que qualquer pessoa pode se aventurar por esses dois mundos, até porque foram as palavras que me apresentaram aos números e daí nasceu essa relação singular. O primeiro livro que li foi “O Homem que Calculava”, do autor Malba Tahan, que narra história de Beremiz Samir, um árabe com um dom inacreditável para a matemática e uma sabedoria que transcendia a mera racionalidade fria e impessoal. Sendo assim, é esse equilíbrio que busco para minha própria vida: fazer poesia com números e letras, mantendo sempre o coração aberto para a subjetividade que há nas entrelinhas e extrair disso o melhor que eu puder.