Capa » Cinema » Cinema | Bill & Ted 2: Dois Loucos no Tempo | Crítica COM SPOILERS
Cinema | Bill & Ted 2: Dois Loucos no Tempo | Crítica COM SPOILERS

Cinema | Bill & Ted 2: Dois Loucos no Tempo | Crítica COM SPOILERS

Nos anos 90, uma certa dupla de viajantes temporais voltou para altas confusões nos cinemas. Depois de uma primeira aventura fantástica, eles se tornaram lendas e influenciaram o futuro. Como isso certamente não agradou a todos e criou inimigos, a missão agora é sobreviver. Isso é o básico que precisamos saber sobre Bill & Ted 2: Dois Loucos no Tempo, uma sequência que diverte muito mais que o filme anterior enquanto expande o universo da franquia.

A trama começa na Califórnia no ano de 2691. De Nomolos (Joss Ackland), um gênio do mal decide acabar com a duradoura paz mundial e resolve mandar exterminadores para acabar com a origem da ideologia pacifista então reinante: a dupla de roqueiros Bill (Alex Winter) e Ted (Keanu Reeves), que deve ser morta e substituída por robôs antes da Batalha das Bandas. 

bill e ted encontrando versões robôs

Um dado importante sobre a apresentação da nova aventura é a parte musical, algo que foi pouco desenvolvido no primeiro filme e que nesse segundo ganha mais importância. Um detalhe que contribui no desenvolvimento dos personagens ao mesmo tempo que serve para referenciar o lado roqueiro dos protagonistas. 

Inclusive, referência parece ser a palavra-chave de Bill & Ted 2: Dois Loucos no Tempo. A primeira delas aparece logo no incio por conta dos robôs com aparência humana e instinto assassino no melhor estilo O Exterminador do Futuro (1984). Para o espectador mais cinéfilo, fica a dica da homenagem ao clássico O Sétimo Selo (1957), do sueco Ingmar Bergman, que se dá quando a dupla precisa jogar com a morte. Nesse caso, o xadrez perde lugar para vários tipos de jogos como Batalha Naval e Twister.  Outro filme homenageado é Neste Mundo e no Outro (1946) de Michael Powell e Emeric Pressburger,  tanto visualmente com estátuas do ator principal e de um dos diretores do filme como quando Bill e Ted entram no paraíso e precisam conversar com Deus.

bill e ted referencia ao clássico sétimo selo de ingrid berman

 

Como se essas pequenas curiosidades não fossem suficientes, ainda temos novamente a participação de personalidades históricas como Sebastian Bach (Robert Noble), Thomas Edison (Hal Landon Sr.) e Sir James Martin, um dos guitarristas do Faith No More na época. Mesmo sem relevância na trama principal, essas participações além de inusitadas e divertidas referenciam o recurso utilizado no filme anterior.

Outro detalhe que aproxima essa sequência de Bill & Ted – Uma Aventura Fantástica é a brincadeira com o conceito de viagem no tempo. Apesar de parecer uma repetição da piada, o roteiro escrito por Chris Matheson e Ed Solomon ainda consegue deixar essas cenas engraçadas. Isso é o que ocorre no tão esperado embate da dupla com o vilão, um momento que inclusive lembra outra paródia com viagens temporais dessa mesma década: Doctor Who: The curse of fatal death (1999). Fica a dica para os fãs da série do Senhor do Tempo que facilmente verão a semelhança entre essas duas produções.

Um último destaque fica para A Morte (William Sadler), um personagem que tinha tudo para ser sombrio; mas que subverte totalmente as expectativas, vira aliado e acrescenta mais humor à história. Todas as cenas com o novo amigo da dupla são divertidas de forma leve e cômica do início ao fim, o que com certeza mostra que sua “companhia mortal” veio para ficar na franquia.

Produzido e lançado no início dos anos 90, Bill & Ted 2: Dois Loucos no Tempo foi o que podemos de chamar de um belo exemplo da tendência de filmes despretensiosos que misturavam comédia com um pouco de ação naquela década. Infelizmente, isso não foi o suficiente para garantir um novo capítulo logo em seguida. Para o ator Keanu Reeves, isso não foi necessariamente ruim já que não demorou muito para ele fazer sucesso em diversos tipos de filmes como Caçadores de Emoção (1991) Velocidade Máxima (1994), Advogado do Diabo (1997) e as franquias Matrix (1999 – 2003) e John Wick (2014-2019). Sua carreira pode ter ficado fora dos holofotes por uns anos, mas recentemente ele “voltou ao jogo” e agora está dando uma sobrevida aos seus trabalhos mais conhecidos como veremos em breve em Bill & Ted: Encare a Música.

Ficha técnica:

  • Data de lançamento: 13 de setembro de 1991 (Brasil)
  • Duração: 1h33min
  • Gênero:  comédia
  • Direção: Peter Hewitt
  • Roteiro: Chris Matheson, Ed Solomon
  • Elenco: Keanu Reeves (Ted Logan), Alex Winter (Bill Preston), George Carlin (Rufus), William Sadler (A Morte),  entre outros.

Assista ao trailer:

Conteúdo relacionado:

Crítica de Bill & Ted – Uma Aventura Fantástica

Artigo “A ciência por trás das histórias sobre viagem no tempo”

Acompanhe o Especial Viajantes do Tempo no Leituraverso

Leia mais sobre Doctor Who

Leia mais sobre John Wick

 

Sobre Marcus Alencar

Avatar
Apresentador do Leituracast, Jornalista, blogueiro e um homem de diversas paixões. Amo quadrinhos, cinema e literatura, mas não necessariamente nessa ordem. Acima de tudo, amo a forma como esses meios de comunicação conseguem produzir obras capazes de nos tirar do lugar-comum e propiciar a reflexão. No caso dos livros, destaco toda a saga de Percy Jackson nas séries de livros do escritor Rick Riordan. Não sei se foi à identificação quase que imediata com o personagem central ou fato de sempre me interessar por mitologia grega, mas o importante é que esses livros despertaram de forma mágica meu interesse pela leitura assim como outras grandes obras já fizeram o mesmo comigo em outros períodos e de formas diferentes. Enfim, ler pra mim é uma viagem especial e mágica que sempre farei com muito prazer em qualquer época da minha vida