Capa » Cinema e TV » Séries | Doctor Who 12×0: Resolution | Review
Séries | Doctor Who 12×0: Resolution | Review

Séries | Doctor Who 12×0: Resolution | Review

[SPOILERS] 2019 começou com tudo! Poucas horas depois de entrarmos no ano ouvindo o tema de Vingadores em plena queima de fogos, Resolution, o especial de Doctor Who foi ao ar no Reino Unido. Lavando a alma de todos os fãs da série, este episódio é um dos mais emocionantes dessa nova fase estrelada por Jodie Whittaker e comandada por Chris Chibnall por trazer de volta um dos vilões mais amados (ou odiados) do programa.

Deixando de lado a abertura, o Resolution começa de forma épica narrando como povos inimigos se uniram para formar um exército e lutar contra um oponente impossível: um dalek. Séculos depois, uma dupla de arqueólogos encontra uma parte do corpo desse dalek e acaba por reanimá-lo. Atraídos de volta à Sheffield pelo perigo, a Doutora e seus companheiros precisam localizar essa ameaça antes que ela chame toda sua frota para a Terra. Para deixar o clima mais tenso, Aaron (Daniel Adegboyega), o pai de Ryan, ressurge depois de muito tempo para reencontrar o filho.

O roteiro criou dois pontos delicados: de um lado, o surgimento de um dalek; do outro, o tão aguardado reencontro entre pai e filho. Restava saber se as duas subtramas seriam desenvolvidas de forma justa e satisfatória e felizmente isso aconteceu. Primeiro, Aaron surge de repente e logo de cara é alfinetado pela Doctor. Ela ainda fala vagamente sobre sua experiência com pais, contudo não sabemos se ela está se referindo ao seus pais ou a si própria quando descobriu ter uma filha em The Doctor’s Daughter (S04E06). Em seguida é a vez de Graham (Bradley Walsh) confrontá-lo e mostrar mais uma vez porque é um dos companions mais bem explorados ao falar sobre o real significado de família. Ryan é o último a encarar o pai, porém nos proporciona uma cena ao mesmo tempo tensa e emocionante, a qual se destaca pela atuação de Tosin Cole, que transmite muita emoção em um diálogo franco de um filho que se sente abandonado e indigno do amor do próprio pai. A escolha do diretor, Wayne Yip, em deixar esse momento sem nenhuma música de fundo valoriza ainda mais sua intensidade.

Por outro lado, voltamos à trama principal, onde o dalek está no controle do corpo de Lin (Charlotte Ritchie), obrigando-a a construir sua nova armadura. É divertido ver esse lado badass do alien fora de seu traje característico, dirigindo rápido pela cidade e roubando viaturas. Tudo fica melhor com a trilha sonora com uma pegada mais rock, o que deixa as cenas mais empolgantes. Entretanto, o que todos queríamos ver era o saleiro voador que fica gritando “EXTERMINATE!” por aí. E mesmo sendo algo com o qual já estamos acostumados, ainda somos surpreendidos pelo poder de fogo dele contra soldados fortemente armados.

A Doutora até tenta pedir ajuda da UNIT, que já marcou presença em vários episódios, inclusive contra os daleks, mas por uma justificativa um tanto quando meia-boca não conseguimos ver Kate Stewart em ação novamente. Sendo assim, a Doctor precisa dar conta do recado sozinha e não decepciona quando encontra seu arqui-inimigo cara a cara pela primeira vez. Ao mesmo tempo que ela brinca, mostra-se implacável diante de tamanho perigo e se reafirma como a protetora da Terra, como o Doutor do Matt Smith fez em sua estreia com The Eleventh Hour.

Por fim, as duas tramas do episódio convergem para um ponto em comum. O pai de Ryan ganha certo destaque ao ajudar a derrotar o dalek. Já o fato de ele ter seu corpo tomado perto do fim era o que faltava para acertar as coisas definitivamente entre ele e o filho. Não pareceu forçado e teve um final feliz (duvido que teria sido assim se fosse o Moffat).

Enfim, Resolution mostrou que Doctor Who tem muito com o que empolgar os fãs. Depois de um final de temporada morno, esse especial renova o fôlego para a 12ª temporada em 2020 e nos dá esperanças de vermos outros vilões clássicos dessa série que tanto amamos.

Ficha técnica:

  • Episódio: 12×0: Resolution
  • Data de exibição: 1º de janeiro de 2019 (Reino Unido)
  • Roteiro: Chris Chibnall
  • Direção: Wayne Yip
  • Duração: 60 minutos
  • Elenco: Jodie Whittaker (Décima terceira Doutora), Bradley Walsh (Graham O’Brien), Tosin Cole (Ryan Sinclair), Mandip Gill (Yasmin Khan)
  • Elenco convidado: Daniel Adegboyega (Aaron), Charlotte Ritchie (Lin), Nikesh Patel (Mitch)

Assista ao trailer:

Veja o nosso review sobre os episódios anteriores

Sobre Mozer Dias

Mozer Dias
Engenheiro civil, resenhista e podcaster. Sou apaixonado pela exatidão dos números e pela subjetividade das palavras. Penso que qualquer pessoa pode se aventurar por esses dois mundos, até porque foram as palavras que me apresentaram aos números e daí nasceu essa relação singular. O primeiro livro que li foi “O Homem que Calculava”, do autor Malba Tahan, que narra história de Beremiz Samir, um árabe com um dom inacreditável para a matemática e uma sabedoria que transcendia a mera racionalidade fria e impessoal. Sendo assim, é esse equilíbrio que busco para minha própria vida: fazer poesia com números e letras, mantendo sempre o coração aberto para a subjetividade que há nas entrelinhas e extrair disso o melhor que eu puder.