Capa » Cinema e TV » Séries | Titãs – 1ª temporada | Crítica
Séries | Titãs – 1ª temporada | Crítica

Séries | Titãs – 1ª temporada | Crítica

Titãs é a primeira produção original do DC Universe. Como este serviço de streaming não existe no Brasil, a Netflix comprou os direitos de exibição. Por conta disso, podemos conhecer essa nova adaptação de heróis da DC Comics que se diferencia totalmente das séries da CW por apresentar uma dose de violência impactante. 

Antes de apresentar a premissa, é válida uma comparação sobre o tom de Titãs. É como se a visão sombria e realista de O Cavaleiro das Trevas se unisse com o estilo das produções Marvel/Netflix para criar algo diferenciado. Com isso, temos uma das melhores (talvez a melhor) série inspirada em histórias em quadrinhos feita até o momento. 

Na trama, conhecemos o primeiro Robin: Dick Grayson (Brenton Thwaites, de Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar). O antigo parceiro do Batman agora é detetive na cidade de Detroit e tenta conciliar seu trabalho junto com a vida de vigilante. Em seu caminho, ele encontra Rachel Roth/Ravena (Teagan Croft). Uma adolescente problemática com estranhos poderes envolvida em um assassinato do qual é inocente. Ciente de sua inocência, Dick tenta protegê-la das pessoas que querem trazer seu pai demoníaco de volta a terra. É nesse caminho que ele encontra outros seres poderosos como Koriand´r/Kory Anders/Estelar (Anna Diop) e Garfield Logan/Mutano (Ryan Potter) cujas vidas acabam se cruzando por causa de Rachel.

Aliás, quando o assunto é união do grupo vale destacar como os personagens se encontram de forma natural e coerente. O roteiro não se apressa em uni-los e colocar todos usando seus poderes e habilidades. Muito pelo contrário, há um tempo certo para tudo nesta temporada. O mesmo pode ser dito sobre as referências que a produção faz à personagens icônicos como Batman, Superman e Mulher-Maravilha. Sem estragar surpresas, pode-se dizer que a trindade heroica não ofusca em nenhum momento o grupo comando por Robin. Um grande acerto da série que ainda encontrou espaço para introduzir outros heróis como forma de ampliar este novo universo compartilhado da tv.

Sobre isso, é importante saber que essas introduções não são gratuitas ou forçadas. Não se trata de referenciar este ou aquele herói apenas para promover outras produções, um erro que o Universo Compartilhado da Marvel já cometeu diversas vezes no cinema. Em Titãs, conhecemos personagens como Rapina & Columba e Patrulha do Destino porque eles são importantes para a trama principal. A dupla formada por Hank Hall/Rapina (Alan Ritchson, de Smallville) e Dawn Granger/Columba (Minka Kelly) tem relações mais pessoais com Dick e posteriormente com Rachel. Algo que será mais aprofundado na próxima temporada já que este primeiro ano deu apenas algumas pistas sobre a importância deles para a garota. Já o grupo conhecido como Patrulha do Destino, além de ser a próxima atração do DC Universe, foi introduzido como forma de desenvolver mais o personagem do Mutano e mostrar outro aspecto deste universo televisivo, um com tom mais leve e menos sombrio.

Com êxito, esta primeira temporada de Titãs mostra que ainda é possível inovar nas adaptações de quadrinhos para outras mídias. Sem dúvidas, um inicio promissor para o DC Universe.  

Assista ao trailer:

Sobre Marcus Alencar

Apresentador do Leituracast, Jornalista, blogueiro e um homem de diversas paixões. Amo quadrinhos, cinema e literatura, mas não necessariamente nessa ordem. Acima de tudo, amo a forma como esses meios de comunicação conseguem produzir obras capazes de nos tirar do lugar-comum e propiciar a reflexão. No caso dos livros, destaco toda a saga de Percy Jackson nas séries de livros do escritor Rick Riordan. Não sei se foi à identificação quase que imediata com o personagem central ou fato de sempre me interessar por mitologia grega, mas o importante é que esses livros despertaram de forma mágica meu interesse pela leitura assim como outras grandes obras já fizeram o mesmo comigo em outros períodos e de formas diferentes. Enfim, ler pra mim é uma viagem especial e mágica que sempre farei com muito prazer em qualquer época da minha vida