Capa » Cinema e TV » Séries | Doctor Who 12×5: Fugitive of the Judoon | Review
Séries | Doctor Who 12×5: Fugitive of the Judoon | Review

Séries | Doctor Who 12×5: Fugitive of the Judoon | Review

[SPOILERS] Definitivamente, a 12ª temporada de Doctor Who não economiza na hora de surpreender os fãs e Fugitive of the Judoon é a maior prova disso até agora. Só para se ter ideia, tivemos neste quinto episódio uma nova e misteriosa regeneração da Senhora do Tempo, os retornos do Capitão Jack Harkness e dos Juddon além de mais perguntas do que respostas a respeito de Gallifrey.

Os Judoon estão marchando pela cidade Gloucester dos dias atuais à procura de um fugitivo, mas a sua real identidade e o motivo dessa perseguição permanecem um mistério que A Doutora e seus amigos tentarão descobrir a qualquer custo.

juddon doctor who 12 temporada

O primeiro foco deste review de Fugitive of the Judoon está na forma como o roteiro de Vinay Patel brinca com a ideia de que o fugitivo em questão seja Lee Clayton (Neil Stuke), um homem aparentemente comum que tenta agradar sua esposa Ruth (Jo Martin) no seu dia de aniversário. Parte dessa brincadeira está na forma como ele se comporta de forma totalmente suspeita com a chegada dos Judoon. Para agravar a situação, os companions da Doutora vão desaparecendo aos poucos enquanto a ajudavam a desvendar este grande mistério ao lado de Ruth, que até o momento era apenas uma mulher assustada com toda situação.

No entanto, tudo muda quando Ruth vai se revelando como uma nova regeneração da Doutora. A revelação em si faz todo sentido já que ela estava sob efeito de camuflagem biológica para realmente viver como humana. Os fãs mais atentos lembraram nesse momento de The Family of Blood (S3E8), episódio em que o 10º Doutor (David Tennant) passa por uma situação parecida. A grande diferença é que o surgimento desta nova Senhora do Tempo traz algo totalmente novo para a série já que o comum é vermos encontros de doutores que já conhecíamos. Neste caso em questão, não sabemos o que ela já viveu e em que fase do ciclo de regenerações ela se encaixa. Além disso, sua inclusão levanta diversas questões e gera várias teorias que podem ou não se confirmar verdadeiras ainda nesta temporada. De qualquer forma, só nos resta esperar o retorno dela em breve para obter algumas respostas.

Independente de onde essa nova Doutora se encontra na linha do tempo, dá pra notar que ela é uma regeneração mais fria, impiedosa e até mesmo agressiva por assim dizer. Em alguns pontos, nos lembra a faceta sombria do 12º Doutor (Peter Capaldi) em seu inicio antes dele aprender o motivo de ter escolhido aquele rosto em The Girl Who Died (S9E5). Isso por si só levanta mais dúvidas que se somam as diversas teorias sobre ela. Esta regeneração é recente? Porque se exilou na terra? O que a fez ficar desse jeito?

Photographer: James Pardon Jo Martin

Falando em retornos, quem também dá as caras em Fugitive of the Judoon é o Capitão Jack Harkness (John Barrowman) que conhece apenas os amigos da Doutora neste primeiro momento. O encontro entre eles é engraçado e cheio de piadas que só mesmo o próprio personagem poderia fazer, o que por si já marca sua entrada em grande estilo. É uma pena que tenha sido tão rápido, mesmo sendo o suficiente para deixar qualquer fã curioso a respeito da mensagem que ele deixa para ser entregue para a Senhora do Tempo a respeito do Cyberman Solitário.

capitão jack fugitive of the juddon

Por último, não podemos deixar de falar dos Juddon. A ameaça dos vilões com cara de rinoceronte não foi tão impactante como em Smith and Jones (S3E1), por exemplo, mas teve seus momentos que merecem destaque. Logo quando chegam a terra, causam terror na população e são os responsáveis pelo chamado da ação que traz a Doutora e seus amigos para a terra. No entanto, o estrago que eles poderiam causar é diminuído tendo em vista o foco da missão e o fato deles estarem sendo comandados por outras pessoas.

juddon doctor who

Entre elas, Gat (Ritu Arya) que tem como principal objetivo a captura da nova Doutora. Infelizmente, não conseguimos descobrir muito sobre ela em Fugitive of the Judoon exceto que tem questões não resolvidas com a Senhora do Tempo e que não sabe nada sobre a situação atual Gallifrey. Essas informações são mais do que suficientes para fazermos mais perguntas sobre o que realmente está acontecendo no momento. Infelizmente, não veremos ela novamente por conta do seu destino trágico neste episódio.

Por tudo isso, até agora Fugitive of the Judoon é o ponto alto da 12ª temporada. Mais do que elevar as expectativas, o quinto episódio é um marco justamente pela ousadia em mexer com aquilo que é considerado cânone. Além disso, traz de volta um aguardado retorno de um velho amigo junto com uma premissa misteriosa. O único risco que Doctor Who corre é se o encerramento desses arcos não for devidamente satisfatório.

Obs: Este review contou com a colaboração de Mozer Dias. 

Ficha Técnica:

  •  Episódio: 12×05 – Fugitive of the Judoon 
  •  Data de exibição: 28 de fevereiro de 2020
  •  Roteiro: Vinay Patel
  •  Direção: Nida Manzoor
  • Duração: 59 minutos
  • Elenco: Jodie Whittaker (Décima terceira Doutora), Bradley Walsh (Graham O’Brien), Tosin Cole (Ryan Sinclair),
  • Mandip Gill (Yasmin Khan).
  • Elenco convidado: Jo Martin (Ruth/Doutora), Neil Stuke (Lee Clayton), John Barrowman (Capitão Jack Harkness), Ritu Arya (Gat).

Assista ao trailer:

 

 

Sobre Marcus Alencar

Avatar
Apresentador do Leituracast, Jornalista, blogueiro e um homem de diversas paixões. Amo quadrinhos, cinema e literatura, mas não necessariamente nessa ordem. Acima de tudo, amo a forma como esses meios de comunicação conseguem produzir obras capazes de nos tirar do lugar-comum e propiciar a reflexão. No caso dos livros, destaco toda a saga de Percy Jackson nas séries de livros do escritor Rick Riordan. Não sei se foi à identificação quase que imediata com o personagem central ou fato de sempre me interessar por mitologia grega, mas o importante é que esses livros despertaram de forma mágica meu interesse pela leitura assim como outras grandes obras já fizeram o mesmo comigo em outros períodos e de formas diferentes. Enfim, ler pra mim é uma viagem especial e mágica que sempre farei com muito prazer em qualquer época da minha vida