Capa » Cinema e TV » Séries | Doctor Who 12×1: Spyfall: Part One | Review
Séries | Doctor Who 12×1: Spyfall: Part One | Review

Séries | Doctor Who 12×1: Spyfall: Part One | Review

[SPOILERS] A 12º temporada de Doctor Who começa em clima de mistério e renovação com Spyfall: Part One. Depois de uma 11ª temporada morna em alguns aspectos, Chris Chibnnall resolveu iniciar o retorno da Doutora e seus amigos com uma aventura instigante e surpreendente. Tudo isso graças ao retorno de um inimigo que todos amam odiar, junto de novas ameaças.

Nesta primeira parte, descobrimos que agentes de inteligência em todo o mundo estão sendo atacados por forças alienígenas. Para lidar com a situação, o MI6 se volta para a única pessoa que pode ajudar: A Doutora. Enquanto ela e seu o time viajam pelo mundo procurando respostas, ataques surgem de todos os lados. Logo, todos percebem que a segurança da Terra está em jogo e que há uma conspiração envolvendo Daniel Barton (Lenny Henry), o CEO da VOR e ex-informante do serviço britânico.

Com essa premissa, percebemos que o roteiro do episódio utiliza umas das melhores características da temporada anterior: o trabalho em equipe. A Doutora que tão bem conhece seus amigos cria duplas com diferentes funções. Desse modo, toda a história avança com uma narrativa mais dinâmica. Enquanto Yasmin (Mandip Gill) e Ryan (Tosin Cole) se disfarçam de jornalista e fotógrafo para entrevistar Daniel, A Doutora e Graham (Bradley Walsh) vão atrás do agente O (Sacha Dhawan, de Punho de Ferro) que segundo o MI6 seria a melhor pessoa para ajudá-los nesse caso.

Não demora para Yasmin e Ryan descobrirem a nova ameça da vez: os Kasaavin (voz de Struan Rodger). Sobre eles, há pouco a ser dito. São seres que se movem rapidamente, emitem sons agudos e possuem uma forma humana não definida. Em um primeiro momento, lembram o visual dos Cybermen em “Army of Ghosts” (S2E12) antes dos vilões serem revelados. Apesar dessa semelhança, os Kasaavin estão envoltos no clima de mistério que toma conta de todo o episódio e por conta disso somos surpreendidos toda vez que eles aparecem subitamente. Na cena em que Yas é atacada temos uma prova do nível de perigo que eles representam.

Em outro ponto, com A Doutora e Graham, vemos que o agente O pode ser um importante aliado. No entanto, isso não dura muito tempo quando logo nos minutos finais ele se revela como a nova regeneração do Mestre. Esta reviravolta dá um salto a mais de qualidade para o episódio por conta das nuances da atuação de Sacha Dhawan. Com extrema facilidade, ele muda a expressão para mostrar como esta nova versão é perversa e cheia de ódio. Além disso, seu retorno traz à tona diversos questionamentos sobre o que ocorreu após os eventos de “The Doctor Falls” (S10E12). Por enquanto, nada de respostas a respeito disso. Apenas teorias, o que é muito bom pois deixa tudo ainda mais misterioso.

Falando em teorias, é importante ficarmos atentos para as últimas palavras dele em Spyfall: Part One sobre tudo o que tudo A Doutora acredita ser uma mentira. Não é muito dificil imaginar que essa ameça dita de forma raivosa esteja relacionada com a situação de Gallifrey. Fica a expectativa para que a segunda parte amarre esta ponta solta de forma satisfatória.  

Uma curiosidade a respeito dessa novidade é que o ator já fazia parte do universo da série. Melhor dizendo, da história sobre o nascimento dela. Em An Adventure in Space and Time (2013), ele interpretou Waris Hussein que foi o primeiro diretor indiano a trabalhar na BBC e portanto uma figura importante para o início da série britânica. Esta não é a primeira vez que Doctor Who resgata um membro do elenco do filme biográfico já que David Bradley, que interpretou o 1º Doutor (William Harnell), fez o mesmo em Twice Upon a Time.

Os atores Lenny Henry e Stephen Fry (o agente C) também se encaixam nesta lista de retornos, mas com a diferença de terem participado de produções não-canônicas da série. Lenny interpretou uma versão do 7º Doutor em seu programa The Lenny Henry Show em 1985 enquanto Stephen fez um Senhor do Tempo chamado Ministro do Acaso na animação “Doctor Who: Death Comes to Time” em 2002.

Curiosidades e reviravoltas a parte, só resta dizer que Spyfall: Part One é um excelente início de temporada para a série. Mais do que isso, é um começo promissor e de qualidade em um nível similar à “The Magician’s Apprentice” (S9E1) que também contou com uma versão do Mestre. Aliás, o retorno deste inimigo que todos amamos odiar é a cereja do bolo deste episódio que até o momento é um dos melhores com a 13ª Doutora. Fica agora a expectativa para que Spyfall: Part Two traga um encerramento digno para esta trama tão bem elaborada.

Ficha Técnica:

  • Episódio: 12×01 – Spyfall: Part One
  • Data de exibição: 31 de janeiro de 2020
  • Roteiro: Chris Chibnall
  • Direção: Jamie Magnus Stone
  • Duração: 59 minutos
  • Elenco: Jodie Whittaker (Décima terceira Doutora), Bradley Walsh (Graham O’Brien), Tosin Cole (Ryan Sinclair), Mandip Gill (Yasmin Khan).
  • Elenco convidado: Sascha Dhawan (Agente O/ Mestre) , Lenny Henry (Daniel Barton) e Stephen Fry (Agente C).

Assista ao trailer:

Links:

Sobre Marcus Alencar

Avatar
Apresentador do Leituracast, Jornalista, blogueiro e um homem de diversas paixões. Amo quadrinhos, cinema e literatura, mas não necessariamente nessa ordem. Acima de tudo, amo a forma como esses meios de comunicação conseguem produzir obras capazes de nos tirar do lugar-comum e propiciar a reflexão. No caso dos livros, destaco toda a saga de Percy Jackson nas séries de livros do escritor Rick Riordan. Não sei se foi à identificação quase que imediata com o personagem central ou fato de sempre me interessar por mitologia grega, mas o importante é que esses livros despertaram de forma mágica meu interesse pela leitura assim como outras grandes obras já fizeram o mesmo comigo em outros períodos e de formas diferentes. Enfim, ler pra mim é uma viagem especial e mágica que sempre farei com muito prazer em qualquer época da minha vida