Capa » Cinema e TV » Séries | Doctor Who 11×6: Demons Of The Punjab | Review
Séries | Doctor Who 11×6: Demons Of The Punjab | Review

Séries | Doctor Who 11×6: Demons Of The Punjab | Review

[SPOILERSDemons Of The Punjab é mais um episódio de viagem ao passado, mas também vai além disso. Logo nas primeiras cenas, percebemos que se trata de uma história mais pessoal situada em um momento histórico importante. O ano é 1947. A Doutora e seus amigos estão em Punjab, na Índia, em um período em que o país está dividido entre indianos e paquistaneses. Enquanto Yaz (Mandip Gill) tenta descobrir a história secreta de sua avó, a Doutora descobre que há demônios assombrando o local.

Antes de comentar sobre os tais “demônios”, vale um comentário sobre a relação deste episódio com Rosa. Enquanto um era apenas sobre manter a história intacta, este vai além e mostra como os fatos influenciaram a vida das pessoas de forma direta. O curioso é como Yaz, que agora ganha mais desenvolvimento, trata a versão jovem de sua vó como se fosse um importante ícone histórico tal qual Rosa Parks. Outro detalhe é a relação entre Manish (Hamza Jeetooa) e seu irmão Prem (Shane Zaza). Mesmo com alguém de sua família prestes a casar, ele prefere representar o preconceito daquele período. Tudo porque naquele ano ocorria a Partição, quando Índia e Paquistão se tornaram dois países separados. De certo modo, isso o tornou o vilão da história.

Isto nos leva aos Thijarian, os novos personagens que são apresentados em Demons Of The Punjab. Com o visual estilo monstro da semana, eles tinham tudo para ser uma grande ameaça a vida da Doutora e seus amigos. Na verdade, a grande sacada do roteiro escrito por Vinay Patel está justamente nessa brincadeira com as expectativas do público. A todo momento, esperamos para descobrir mais sobre os Thijarian e o que eles querem com aquelas pessoas. Eles são apenas uma espécie que agora testemunha a história, honrando a memória de pessoas que morrem sozinhas.

Pensando nisso, encontra-se uma relação com o oitavo episódio da primeira temporada da era moderna de Doctor Who: Father’s Day. Nele, Rose quer conhecer o seu pai que morreu enquanto ela ainda era um bebê. Ao presenciar o acidente no qual ele morreu, ela altera a própria linha do tempo gerando vários outros problemas. E em Demons Of The Punjab, temos o que pode ser chamado de um flerte com essa possibilidade em alguns momentos. No entanto, esta 13º regeneração sabe muito bem dos riscos que corre e como lidar com eles. Nesse sentido, é interessante como a Doutora e seus amigos lidam com a notícia de que Prem irá morrer e como isso não pode ser alterado. Mesmo criando uma espécie de amizade com ele, eles aceitam o inevitável e seguem frente.

Demons Of The Punjab é certamente um dos melhores e mais interessantes episódios desta temporada. É uma história que fica melhor ainda quando o público já tem conhecimento de episódios anteriores, o que não impede que seja tão bem aproveitado por iniciantes de Doctor Who. Além de desenvolver uma companion, o episódio ganha pontos em outros aspectos como mostrar os efeitos de um importante momento histórico da Índia. Fica ao final uma expectativa para que tenhamos mais histórias como essa que acrescentam e muito na temporada como um todo.

Ficha técnica:

  • Episódio: 11×6: Demons Of The Punjab
  • Data de exibição: 11 de novembro de 2018
  • Roteiro: Vinay Patel
  • Direção: Jaime Childs
  • Duração: 48 minutos
  • Elenco: Jodie Whittaker (Décima terceira Doutora), Bradley Walsh (Graham O’Brien), Tosin Cole (Ryan Sinclair), Mandip Gill (Yasmin Khan).
  • Elenco convidado:  Shane Zaza (Prem), Amita Suman (Umbreen),  Hamza Jeetooa (Manish), entre outros.
    .

Assista ao trailer:

Veja o nosso review sobre os episódios anteriores

Sobre Marcus Alencar

Apresentador do Leituracast, Jornalista, blogueiro e um homem de diversas paixões. Amo quadrinhos, cinema e literatura, mas não necessariamente nessa ordem. Acima de tudo, amo a forma como esses meios de comunicação conseguem produzir obras capazes de nos tirar do lugar-comum e propiciar a reflexão. No caso dos livros, destaco toda a saga de Percy Jackson nas séries de livros do escritor Rick Riordan. Não sei se foi à identificação quase que imediata com o personagem central ou fato de sempre me interessar por mitologia grega, mas o importante é que esses livros despertaram de forma mágica meu interesse pela leitura assim como outras grandes obras já fizeram o mesmo comigo em outros períodos e de formas diferentes. Enfim, ler pra mim é uma viagem especial e mágica que sempre farei com muito prazer em qualquer época da minha vida